[Fechar]

..... TESTE TESTE TESTE .....

14 de novembro de 2019

Diretoria do Hospital Darcy Vargas se reúne na Secretaria de Estado da Saúde para definir metas de atuação!!


Na data de 11/11/2019, em convocação pela SESA - Secretaria de Estado da Saúde, a diretoria do Hospital representada por sua Presidente Regina, Miguel, tesoureiro e o funcionário Márcio estiveram em reunião para junto com a secretaria definir novos protocolos a serem seguidos referente aos atendimentos que o Hospital realiza. Em análise de relatórios enviados a SESA pelo Hospital muitos dos atendimentos acolhidos deveriam ser atendidos nos postos de saúde, pois o Hospital é para atendimentos de emergência. Com a presença do prefeito Zak e a secretária de saúde Tânia foi acordado a elaboração / alteração dos protocolos existentes e organizar os processos de trabalho, visando sempre o bom atendimento ao paciente. Estavam presentes também na reunião o chefe da 4ª Regional de Saúde Walter Trevisan e Patrícia Sobutka, chefe de seção da Regional.
Vamos cumprir aquilo que é competência do Hospital, e o que não for será encaminhado a unidade correta. A SESA e a Regional acompanhará esses processos para que todos possam compreender e auxiliar na sua efetividade.
Primeira ação a ser seguida é a referência e contra-referência, ou seja, se o atendimento não for de Hospital o paciente sera contra-referenciado a unidade básica, mesmo se encaminhado por algum posto de forma equivocada.
Pedimos a população que auxilie sempre tirando suas dúvidas com a Secretária de Saúde ou com a Diretoria do Hospital.

Regina Ducat Semkiw - Presidente



Grupo de Humanização do Hospital Darcy Vargas realiza despedida de colaboradora!!

Na data de hoje a colaboradora Rosângela recebe a surpresa de seus colegas do Hospital Darcy Vargas. Vai ficar em licença maternidade e seus colegas e o Grupo de Humanização a desejam muita luz e saúde para seu bebê. 


Lais e Diovana também esperam ansiosas !!!!

28 de outubro de 2019

HOSPITAIS se reúnem com Deputados para pedir prioridades para a saúde!





Adalto (Erasto) Ladislau (Santa Casa Irati) Márcio Darcy Vargas
Rangel (Presidente Conselho de Saúde Estadual) Márcio Darcy Vargas

Mais de 80 pessoas participaram, no dia 23 de outubro, de um café da manhã oferecido pela Femipa à bancada federal paranaense para apresentar a realidade e as dificuldades do setor.
Para dar início ao encontro, o presidente da Femipa, Flaviano Feu Ventorim, apresentou dados do setor filantrópico do Paraná, destacando a importância das instituições de Saúde para o Estado.
“Hoje, o atendimento ao Sistema Público de Saúde (SUS) pelas entidades filantrópicas é de 65%. Temos no Paraná 136 instituições, e isso quer dizer que 22% dos hospitais do Estado são filantrópicos. Além disso, 40% dos leitos disponíveis estão nessas instituições. Na oncologia, fazemos mais de 80% dos atendimentos. Os hospitais afiliados à Femipa estão em 46 municípios e geram mais de 18 mil empregos diretos. Em 2018, fizemos mais de 16 milhões de procedimentos ambulatoriais, com quase 500 mil internações. Para cada um real de isenção que recebemos, retornamos para a sociedade mais de oito reais”, pontuou Ventorim, conforme dados de pesquisa divulgada pelo Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (Fonif).
O presidente afirmou, ainda, que os hospitais sem fins lucrativos fazem parte do sistema de saúde, que é único, mesmo sendo entidades privadas. Segundo ele, é preciso que o recurso seja direcionado para atender à necessidade efetiva da população. “Temos que discutir políticas de saúde sem entrar no mérito partidário. Precisamos encontrar uma forma de resolver esse problema, pois todos são cidadãos e precisam de atendimento. Por isso, precisamos quebrar barreiras”, garantiu.
Além disso, Ventorim também lembrou que as dívidas das entidades filantrópicas ultrapassam R$ 21 bilhões, o que dificulta o dia a dia das instituições, e que as reivindicações dessas instituições estão focadas em custeio, investimento, financiamento e processo legislativo. Nesse último ponto, ele citou que a legislação vem imputando despesas para os hospitais, pois, apesar de haver projetos bons, eles não apontam um novo recurso para suprir o novo gasto.
“No projeto da jornada de trabalho de 30 horas para profissionais de enfermagem, por exemplo, não somos contra o projeto, mas não temos dinheiro para sustentar, e o impacto é de pelo menos 20% na folha de pagamento dos hospitais. É uma questão de sustentabilidade. Se passar o projeto, provavelmente vamos precisar fechar as portas no dia seguinte. Por isso, reforçamos que o processo legislativo, hoje, é tão importante quanto o financiamento, pois uma Lei pode quebrar vários hospitais. A escala de 30 horas não está alinhada com a legislação trabalhista e não há profissionais formados para atender esta demanda”, reforçou.
Outro ponto de preocupação dos filantrópicos, segundo o presidente da Femipa, é com relação aos hospitais de pequeno porte, que precisam de uma política de sustentabilidade. Ele citou que metade dos municípios do Paraná, por exemplo, tem menos de 10 mil habitantes, e essas cidades não terão condições de manter hospitais, pois a escala de produtividade não se viabiliza. Por isso, é necessária uma política de financiamento específica, com definição de modelo, o que as instituições chamam de vocacionamento.
“Saúde é escala. Em um hospital, precisamos fazer de tudo, porque a população tem todos os problemas. Queremos preparar o hospital para atender a todos, mas não conseguimos, principalmente naqueles hospitais pequenos. Hoje, precisamos pensar em trabalhar no modelo de regionalização e do vocacionamento dos hospitais para ter escala de produção”, salientou.
Para finalizar sua apresentação, Ventorim pediu especial atenção à PEC Paralela da Previdência, que traz riscos às instituições, pois expõe e pressiona a filantropia. “Precisamos ser ouvidos. Não podemos ficar do jeito que estamos. Agora, mais do que nunca, precisamos unir forças e destacar ainda mais a importância das nossas instituições para a Saúde pública do Estado”, alertou. O presidente ressaltou, ainda, que as três bases da filantropia – saúde, educação e assistência social – estão entrelaçadas, e que as instituições muitas vezes atuam nas três áreas, já que os hospitais são os maiores formadores de profissionais de saúde, além de atuarem em várias atividades de assistência social.
Parlamentares
Ricardo Barros, que foi também ministro da Saúde, avaliou que os filantrópicos são vocacionados para servir, e isso é algo que precisa ser valorizado. Ele afirmou também que as instituições precisam demonstrar constantemente ao governo a realidade do problema da saúde, pois, segundo ele, falta de financiamento traz acomodação ao sistema.
“Essas entidades precisam ter clareza, organização, capacidade de informação, para que os números da demanda reprimida sejam expostos e qualificados nas reuniões com gestores. Enquanto os hospitais estiverem resolvendo o problema com muito sacrifício, o problema não vai para o gestor, por isso falo em acomodação do sistema. Eu prego o equilíbrio das contas. O processo é não ter dívida, é cada um se manter dentro da sua capacidade. Tenho clareza, como gestor, que os filantrópicos fazem um enorme esforço para resolver as dificuldades, mas se o problema não chegar na nossa mesa, se vocês resolverem, ninguém vai se manifestar”, disse.
Para a deputada Leandre Dal Ponte, muitos parlamentares estão em uma encruzilhada, pensando em como ajudar os filantrópicos. Segundo ela, é preciso fazer uma luta coletiva para alcançar benefícios que possam ajudar. Leandre afirmou, ainda, que, com relação às emendas, é preciso prever no que o recurso será usado, para garantir que ele não seja mal investido. “Precisamos conversar mais. Tenho visto hospitais sofrendo, hospitais que são referência para o estado, para a região, e que se chegarem a fechar, será um grande problema. Por isso, parabenizo o trabalho que realizam, pois sabemos que isso é fundamental. Meu foco é procurar levar a saúde mais perto das pessoas, e não é possível fazer isso sem a ajuda dos filantrópicos”, garantiu.
Toninho Wandscheer, líder da bancada paranaense na Câmara dos Deputados, reforçou que é preciso manter um diálogo aberto com a Secretaria de Saúde e com as instituições filantrópicas para que os parlamentares possam encontrar formas de a bancada ajudar, pois, segundo ele, até que se resolva a situação econômica, vai ser difícil chegar a um orçamento capaz de suprir a demanda.
“Vamos precisar achar soluções dentro das nossas possibilidades. Se tudo correr do jeito que está, a bancada do Paraná vai injetar em torno de R$ 300 milhões no Estado. Sabemos que o recurso que o governo federal tem nunca vai ser suficiente. Por isso, para que os deputados possam ajudar com o orçamento impositivo, precisamos manter uma conversa durante o ano para trabalhar em parceria com o governo do Estado, com a Secretaria e com os filantrópicos. É necessário que haja essa relação para que possamos saber que o recurso vai ser bem investido e quem é prioridade no processo. Conforme sugestão dos hospitais de Curitiba, podemos pensar em colocar o recurso de forma geral para todos receberem o recurso de forma proporcional. Espero que possamos conversar e ter o caminho definido para o ano que vem”, afirmou.
Ainda durante o café da manhã, o deputado Luizão Goulart manifestou preocupação com a penúria enfrentada pela Saúde de modo geral e disse que o ideal seria que o Sistema Único de Saúde conseguisse se sustentar, pois, para o deputado, as emendas parlamentares não deveriam ser a solução dos problemas, mas apenas um extra. Evandro Roman afirmou ter afinidade com os filantrópicos e garantiu que essa é também uma causa pela qual luta. Stephanes Junior destacou que a bancada está unida em torno desse tema, para garantir, entre outras coisas, ações do Ministério da Saúde para ajudar a mudar essa situação. Por fim, Pedro Lupion lembrou que muitos municípios dependem das instituições filantrópicas e, por isso, os deputados têm consciência de que precisam ajudar com mais recursos e repasses.
Para fechar o encontro, Geraldo Biesek reforçou que a Secretaria de Saúde valoriza a relação de parceria entre o Estado e os hospitais sem fins lucrativos e que trabalha para que o financiamento seja melhor conduzido. Segundo ele, é preciso haver um modelo perene, para que emendas e orçamentos possam contemplar custeio. Além disso, o chefe de gabinete da Sesa afirmou que, no processo de regionalização já iniciado pelo Estado, as instituições filantrópicas serão grandes parcerias, com bastante relevância.
Fonte: FEMIPA

OUTUBRO ROSA - Almoço para as colaboradoras do HDV/CCI

 O Outubro Rosa é um movimento internacional de mobilização contra o câncer de mama que surgiu em 1997 nos Estados Unidos. Desde então, são realizadas ações no mundo inteiro com o objetivo de conscientizar as pessoas em relação à prevenção do câncer de mama pelo diagnóstico precoce e o tratamento imediato, evitando mortes pela doença.
    Esta campanha lembra às mulheres que é preciso fazer pelo menos uma consulta de check-up ao ano. O Paraná conta hoje com 135 mamógrafos que atendem pelo SUS nas 22 regionais de saúde.
Câncer de Mama
    É o tipo de câncer mais comum e uma das principais causas de morte em mulheres. Se detectado na fase inicial, as chances de cura são grandes.
Sinais e sintomas:
- Secreção no mamilo
- Nódulos (caroços) palpáveis na axila
- Nódulos (caroços) na mama, com ou sem dor
- Alterações na pele que recobre a mama e o mamilo, deixando-os com aspecto semelhante à casca de laranja
Fonte: SESA/PR

No Hospital de Caridade Dona Darcy Vargas, foi servido um almoço a todas as mulheres que trabalham na Entidade, o Grupo de Humanização preparou com carinho e também uma mensagem de prevenção a todas.








21 de outubro de 2019

HOSPITAL DARCY VARGAS E ADMINISTRADOR SÃO APROVADOS EM PESQUISA GRATUITA REALIZADA EM AGOSTO DE 2019.

Em pesquisa gratuita realizada em Rebouças nos dias 28 e 29 de agosto do corrente ano, o HOSPITAL DE CARIDADE DONA DARCY VARGAS obteve 87% de aprovação. Isso demonstra que a equipe está empenhada em prestar o melhor atendimento a todos que procuram. Também seu administrador obteve 67% de aprovação conforme pesquisa.

Trabalhamos com humanidade e responsabilidade, é que nos garante a resposta da população. Obrigado e que Deus abençoe a todos!!

17 de outubro de 2019

HOSPITAL DARCY VARGAS RECEBE CONVITE E DOAÇÃO DA PROVOPAR!

Marlene, Márcio e Maria line (Presidente da Provopar)
Na data de hoje, com muita alegria a direção do Hospital recebeu as representantes da PROVOPAR do Município de Rebouças.
Na ocasião entregaram um convite para a participação no dia 25 próximo de uma caminhada saindo da praça até o bosque Oriri, em comemoração do OUTUBRO ROSA que terá oficinas, palestras e pequinique, lembrando o mês que chama a atenção a todas as mulheres na prevenção ao câncer de mama.
Também efetuaram a doação ao Hospital de:

- 6 Panos de prato
- 8 Fronhas
- 6 lençóis

Agradecimento especial a PROVOPAR pela doação dos tecidos e as costureiras pela dedicação e trabalho. Deus abençoe!

10 de outubro de 2019

Novo diretor Técnico se reúne com médicos no Hospital

Dr Álvaro, novo médico diretor Técnico do Hospital, esteve na data de 09/10/2019 em reunião com a Diretora Clínica Dra Larissa e com os médicos Dr Eduardo Bento e Dr Miguel.
Na oportunidade Dr Álvaro verificou os processos de exames de laboratório e Raio X, Laudos, Eletros, AIHS, fichas amarelas e demais atendimentos que o Hospital realiza para que em conjunto com a direção, diretoria e médicos possam desempenhar trabalhos em prol da população que procura atendimento. 
Para conhecimento e informação, é o diretor médico técnico que convida e contrata os médicos plantonistas e tem o dever de cobrir caso aconteça alguma falta.

Diretoria se reúne com advogados em reunião mensal para tratar assuntos da Entidade

Com a presença dos advogados do Hospital Dr Mauro e Dr Tiago a diretoria presente Regina, Idione, Miguel, Moisés, Denis, Antonio Rosa e Hilda puderam tirar dúvidas dos andamentos dos processos contra e a favor do Hospital, bem como as decisões da administração e diretoria em conformidade com a orientação da área jurídica. Márcio, diretor, detalhou a diretoria os extratos das contas do Hospital e o que é pago com os valores recebidos e o cálculo dos custos do pronto socorro com médicos, funcionários e demais despesas, sendo claro que o momento precisa ser de redução de despesa ou aumento da receita. A diretoria está empenhada a prestar o melhor atendimento a toda a população, mas com a coerência de que o que é gasto precisa ser pago. A diretoria se reúne mensalmente para tomada de decisões e tudo é registrado em ata.

1 de outubro de 2019

Enfermeiro Sidnei do Hospital Darcy Vargas palestra em Encontrão da Terceira Idade sobre a saúde do Idoso!


Encontrão da Terceira Idade no Centro Cultural de Rebouças

A convite da diretoria da 3ª Idade, Sidnei José Ferreira, enfermeiro coordenador no Hospital de Caridade Dona Darcy Vargas esteve mais uma vez com a animada e entusiasmada turma da Terceira Idade... Onde participaram de aula de alongamento com professores de Educação Física, apresentação de dança e Palestra Na Melhor Idade, na ocasião foi falado sobre a importância  dos cuidados com a  saúde e medidas de prevenção de doenças, quedas e Sexualidade na Terceira Idade, onde foram realizados estudos pelo Ministério da Saúde nos últimos 10 anos  com aumento de 81% de casos de doenças sexualmente transmissíveis segundo dados do Boletim Epidemiológico HIV/AIDS de 2018.










30 de setembro de 2019

Hospital Darcy Vargas promove evento de Prevenção - SETEMBRO AMARELO.

Na manhã desse dia 30/09/2019, aconteceu o encerramento do mês Amarelo - Prevenção ao Suicídio. O Hospital de Caridade Dona Darcy Vargas, com a parceria do Conselho da Comunidade, Assistência Social, Educação e demais órgãos organizaram esse momento que tem como intuito maior a prevenção ao ataque a própria vida. 
Estiveram presentes as autoridades; Dr James - Juiz de Direito, Dr Caio - Promotor de Justiça, Regina - Presidente do Hospital, Walter Trevisam - Diretor da 4ª Regional de Saúde, Patricia Sobutka - Grupos de humanização da 4ª Regional de Saúde, Maria Ivete, representando a secretária de Educação, Ricardo Hirt, Presidente da Câmara de Vereadores, Maria Aline, Provopar e representando o Prefeito Municipal, Tânia Selhorst, Secretária de Saúde, Ivonete Strona - Secretária Assistência Social de Rebouças.
Agradecemos aos diretores das escolas e seus alunos pela participação.
Agradecemos também ao Sr Fábio Santos, ao Dr Lucas pelas brilhantes palestras e ao Grupo Thália que encerrou o evento.
Agradecimento ao Grupo de humanização do Hospital Darcy Vargas pelo carinho e dedicação ao evento, a equipe do Fórum e a todos que nos ajudaram. #juntosfazemosadiferença

Cartazes que levaram a premiação - 1, 2 e 3 lugar
1 lugar

27 de setembro de 2019

IFPR e Hospital Darcy Vargas: HORTA COMUNITÁRIA, juntos nessa parceria!!

Resultado de imagem para instituto federal do paraná campus irati logo

No dia de hoje(27/09/2019) o grupo de humanização “FloresSer” da Unidade de Cuidados Continuados Integrados, dentro do Hospital de Caridade Dona Darcy Vargas, teve a presença do Sr João Luis Dremiski, professor do curso técnico em Agroecologia do IFPR(Instituto Federal do Paraná) – Campus Irati –PR, Mestre em Direito Socioambiental pela PUC PR. Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, que esteve colaborando com os profissionais da equipe multidisciplinar, com vias de orientar esses profissionais para melhor atender as demandas dos pacientes na atividade da horta comunitária.
O projeto vem sido desenvolvido pelos acadêmicos de Psicologia (UNICENTRO) Genner e Pedro, com supervisão da Psicóloga Priscila, juntamente com toda a equipe multidisciplinar, Fisioterapeutas, Fonoaudióloga, Farmacêutica, Assistente Social, Nutricionista e Enfermagem.
A Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) de Rebouças-PR tem como objetivo promover um aumento da funcionalidade e autonomia dos usuários visando uma reabilitação integral. A reabilitação faz parte de um processo multiprofissional e interdisciplinar e deve articular a rede de cuidados dos usuários, possibilitando que estes desenvolvam atividades de modo autônomo ou com maior ganho possível de autonomia. Isto se dá por meio da aplicação de atividades básicas e instrumentais relacionadas a aspectos biopsicossociais.
Considerando que os cuidados ofertados na UCCI são de pequena e média duração, entre a alta hospitalar e a atenção primária da rede de saúde, a articulação com o território e comunidade se faz algo extremamente necessária. O processo de reabilitação está relacionado com estratégias que articulem o espaço social, simbólico e cultural dos pacientes.
Tendo isso em vista, propomos a construção de uma horta comunitária em espaço reservado na área externa da UCCI para desenvolvimento de atividades de plantio e cultivo com os pacientes e familiares. Por meio de atividades na horta, pretende-se aproximar o tratamento e o Hospital da realidade cultural e territorial dos pacientes com intervenções que se apropriem de seus repertórios de vivências.
O objetivo é construir uma horta comunitária com o intuito de promover uma prática integrativa e complementar no Hospital. A horta beneficiará usuários, familiares e o fortalecimento de práticas de saúde no território de Rebouças. Esta proposta se articula com a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do SUS (BRASIL, 2015)1, sendo um recurso terapêutico tradicional que complementa as práticas de saúde do Hospital com intuito de favorecer a reabilitação dos pacientes.

1BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 96 p.

Agradecemos desde já o apoio do Instituto Federal do Paraná - Campus Irati nessa parceria!!


...